Forame Oval Patente

 


 

O que é Forame Oval Patente

 

Forame Oval Patente

O forame oval patente é a persistência de uma comunicação entre o lado esquerdo e direito do coração. Durante a nossa vida antes do nascimento (dentro do útero) o sangue passa diretamente do lado direito para o lado esquerdo do coração sem atravessar os pulmões, já que nesta fase da vida não respiramos ar ambiente. Após o nascimento essa comunicação na maioria das vezes se fecha espontaneamente em algumas horas.

Porém, em até 34% das pessoas, ela pode permanecer aberta na vida adulta podendo assim permitir a passagem de sangue do lado direito para o lado esquerdo do coração diretamente sem passar pelos pulmões.

Na grande maioria das vezes essa persistência não causa problemas clínicos porém pequenos coágulos podem atravessar diretamente para o lado esquerdo do coração e causar fenômenos embólicos com significativa repercussão. O acidente vascular cerebral (AVC) é um deles, sendo que a maioria das pessoas que sofrem um AVC devem ter a presença do forame oval patente investigada.

Forame Oval Patente

Sinais e Sintomas

Normalmente o forame oval patente não causa sintomas a não ser que ocorra um episódio de embolização. Nesta situação o sintoma vai depender do território que sofreu embolização e pode incluir:

  • Paralisia de parte do corpo
  • Alterações de comportamento e/ou memória
  • Alterações de visão
  • Dificuldade de fala
  • Esfriamento de parte do corpo (perna/braço/pé)
  • Dor abdominal

Vale lembrar que nem todos os sintomas estão presentes em todos os indivíduos e que quanto maiores os sintomas, maior a probabilidade de gravidade da doença.

Pessoas portadoras de forame oval patente podem permanecer por longos períodos assintomáticos o que não significa que estas não correm risco. Mesmo indivíduos assintomáticos podem apresentar risco de embolização.

Tratamento do Forame Oval Patente e da Comunicação Interatrial

 

Tratamento Medicamentoso

Infelizmente não existe tratamento com remédios para o forame oval patente e a comunicação interatrial. Alguns medicamentos podem diminuir um pouco os sintomas. A única solução definitiva é o fechamento do defeito.

Atualmente, existem diversas maneiras de oclusão do defeito que só podem ser determinadas por uma equipe capacitada em múltiplas técnicas.

Tratamento Cirúrgico Convencional

O tratamento convencional é um procedimento bem estabelecido e com resultados excelentes se bem indicado e executado. Ele é capaz de salvar a vida do paciente. A indicação da cirurgia depende de uma cuidadosa avaliação da condição clínica, dos problemas de saúde associados, da idade do paciente.

A cirurgia requer a abertura da cavidade torácica e a parada do coração com auxílio da máquina coração-pulmão (circulação extracorpórea).Na cirurgia é realizado o fechamento do defeito que pode necessitar de implante de material protético. Apesar dos bons resultados do procedimento existem alguns riscos que variam de paciente a paciente.

Habitualmente a cirurgia necessita de:

  • Anestesia geral
  • Abertura do tórax
  • Duração de 1-2 horas
  • Internação ao redor de 5 dias
  • Recuperação ao redor de 20-30 dias

Tratamento Cirúrgico Minimamente Invasivo

Tradicionalmente é necessária uma incisão mediana longa, porém já é possível realizar o procedimento através de incisões menores, medianas ou laterais. Através destas técnicas é possível promover uma recuperação mais rápida, menos dolorosa e tão segura quanto a cirurgia convencional. Nestes casos a cirurgia é realizada com auxílio de equipamento de vídeo e/ou tecnologia robótica.

tratamento cirurgico minimamente invasivo

Tratamento por cateter

Em alguns indivíduos, na dependência das condições clínicas, do tamanho e da localização do defeito cardíaco é possível realizar o fechamento por técnicas de cateterismo cardíaco que são significativamente menos agressivas e de recuperação mais rápida.

Neste procedimento umoclusor especialmente desenvolvido para este fim é colocado no coraçõa por técnicas de cateterismo cardíaco através de um pequena punção na região da virilha. Com auxílio de aparelhos de radiografia e ecocardiografia a prótese e posicionada dentro do coração e fecha o defeito.

Estudos demonstram que a técnica é capaz de reduzir o tempo de internação, abreviar a recuperação, reduzir a possibilidade de transfusão sanguínea e o risco operatório.

Como a válvula a prótese chega ao coração ?

Habitualmente a prótese é colocada dentro do coração através de uma punção na veia femoral (virilha) (menor que 1 cm) sob anestesia local e sedação.

implante em cia

Entendendo o procedimento por cateterismo

 

Passos do procedimento

Antes do Procedimento

Antes do procedimento é necessária uma avalição cuidadosa de seu caso por uma equipe especializada neste tipo de implante. É realizada uma avalição multiprofissional por cardiologistas, cirurgiões, anestesistas e outros especialistas.

Estas consultas incluem detalhada avaliação de todos os seus exames e do exame clínico no intuito de realizar um planejamento adequado não apenas do procedimento mas de todos os cuidados necessário no pós-operatório de modo a proporcionar uma recuperação adequada e redução dos riscos.

O ecocardiogramatransesofágicoé um exame de fundamental importância, pois ela irá determinar o tamanho de seu coração e do defeito, proporcionando a escolha do melhor tamanho de prótese adequada a anatomia do paciente.

Durante o Procedimento

O procedimento é realizado em uma sala de cirurgia especializada conhecida por sala cirúrgica híbrida que reúne modernos equipamentos de monitorização e diagnóstico por imagem. Um time de especialistas (Heart Team), especialmente treinado nestes procedimentos, executa o implante.

Durante o mesmo um pequeno cateter é introduzido pela veia femoral (virilha) através de uma incisão de aproximadamente 1 cm, sendo em seguida guiado até o coração por equipamentos modernos de imagem.

Uma prótese especial é comprimida dentro de um pequeno tubo denominado cateter e posicionado no coração. Em seguida o médico especialista libera a prótese em sua posição correta.

O procedimento é realizado com anestesia local ou geral na dependência das condições do paciente. Em média, o procedimento dura entre 1 e 2 horas.

Em média o paciente permanece internado por 2 dias e retorna as suas atividades habituais em 7 dias.

Um procedimento usual é composto por:

  1. Anestesia do paciente
  2. A equipe médica responsável prepara o local de acesso paraa prótese
  3. O paciente é monitorizado com ecocardiogramatransesofágico e um aparelho de raio-x (fluoroscopia)
  4. São realizadas novas medidas do defeito para confirmar os exames
  5. A prótese é prepara e inserida por um pequeno tubo (cateter) e colocada em posição dentro do coração 
  6. A prótese é libera e sua posição confirmada pelo ecocardiograma
  7. Imediatamente é verificado o funcionamento da prótese
  8. O sistema é removido e o local de acesso do cateter ocluído

Após o procedimento

Após o implante os pacientes são encaminhados para recuperação anestésica. Lá os principais sinais vitais são monitorizados (batimentos cardíacos, oxigenação, pressão arterial). Normalmente os pacientes permanecem sob observação por 24 horas após o procedimento.

Os matérias usados para oclusão tem uma longa história de segurança e tem sido largamente utilizados no coração. Não é esperada nenhuma reação de rejeição. Dentro de alguns dias o próprio tecido do organismo começa a crescer sobre a prótese. Em 3 a 6 meses a prótese estará completamente coberta e fará parte do coração do paciente.

O paciente não será capaz de perceber que existe a prótese dentro de seu corpo. A prótese não é afetada por aparelhos de RX de aeroportos ou por dispositivos de uso doméstico (forno de micro-ondas, celulares etc).

É permitido caminhar logo após 8 horas. E em média após 2 dias os pacientes retornam para casa.

A equipe multiprofissional acompanha o paciente após a sua alta em diversas consultas que incluem toda a orientação de retomada de suas atividades como programas especialmente elaborados para reabilitação.

Riscos

Apesar da técnica, em pacientes corretamente selecionados, apresentar menor risco que a cirurgia convencional este ainda é um procedimento cirúrgico realizado no coração. O paciente deve discutir extensivamente com a equipe especialista sobre seus riscos que variam conforme sua condição de saúde.

Somente uma avaliação multiprofissional pode determinar adequadamente a quais riscos cada caso está exposto e quais medidas serão tomadas com o objetivo de reduzir ao máximo os mesmos.

Nem todos os defeitos podem ser ocluídos com esta técnica, e alguns cuidados devem ser tomados incluindo:

  1.  Defeitos muito grandes podem não ser adequados a oclusão por cateterismo
  2. Pacientes com acesso venoso (veia femoral) muito finas podem não ser adequados
  3. A presença de coágulos dentro do coração pode contra indicar o procedimento antes de seu tratamento adequado 
  4. A presença de outros defeitos cardíacos associados pode não recomendar o procedimento
  5. Pacientes com alterações graves da coagulação
  6. Presença de infecções ativas

Após o procedimento

O tratamento não acaba com o implante do dispositivo de oclusão. Após o procedimento é fundamental que o paciente seja reavaliado periodicamente pela equipe de especialistas. As reavaliações buscam orientar o paciente sobre diversos aspectos incluindo:

  • Eventuais restrições de atividade física
  • Programa de reabilitação cardiovascular
  • Retomada das atividades habituais
  • Orientações alimentares

Além disso, são realizados exames de avaliação da função da oclusão, incluindo o ecocardiograma.

O paciente e seus outros médicos também recebem um relatório detalhado sobre o procedimento com orientações e cuidados necessários após o implante no coração. O dentista também precisa ser informado desta nova condição.

É muito importante que o paciente mantenha guarda cuidadosa deste relatório para ser apresentado a outros profissionais de saúde que eventualmente necessitam atende-lo em outras ocasiões.

Benefícios do procedimento

Apesar de tratar-se de um procedimento menos invasivo, diversos estudos têm demonstrado uma série de benefícios deste procedimento:

  • Alívio de sintomas Os pacientes operados com está técnica demonstram em curto período de tempo uma melhora significativa dos sintomas de dispneia (falta de ar)
  • Diminuição dos riscos de embolização
  • Melhora da função do coração

Existe melhora documentada na maioria dos casos de diminuição da hipertensão pulmonar.